quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Quem você vai querer ser daqui uma década?

Madalena Feliciano*

Todos os dias, as pessoas são bombardeadas com informações sobre novas tecnologias, novas formas de se fazer negócios e novos nichos mercadológicos, entre outras coisas. Se, há 10 anos atrás, muitas pessoas não tinham celulares, e hoje ninguém sai de aplicativos como WhatsAppFacebook e Instagram, tudo por culpa da popularização do smartphone e da Internet móvel, imagine como estará a sociedade daqui 10 anos, quando tudo estiver mudado?
O mundo está vivenciando uma transformação incrível, em uma velocidade nunca antes vista. Até fecharmos mais uma década, ou seja, em 2025, muita coisa acontecerá, mudando a forma como enxergamos o mundo.
O impacto da tecnologia no trabalho será muito maior do que já é hoje, pois o mundo estará mais globalizado. O que sabíamos fazer antes não terá utilidade alguma daqui 10 anos, e diversas outras habilidades serão exigidas dos profissionais. Claro, não temos como prever de antemão o que acontecerá, mas é possível se manter (ou, pelo menos, tentar) no mesmo ritmo das mudanças no mundo corporativo.
Para o profissional de hoje ainda ser bem-sucedido e colocado no mercado de trabalho daqui 10 anos, é preciso se atualizar sempre.
Existem três atitudes que devem ser tomadas hoje (e sempre) pelos profissionais que se destacarão no futuro.
A primeira é ter uma capacidade constante de inovar, para entregar resultados diferenciados.
A segunda é não ter medo de arriscar, pois isso permite que as pessoas fiquem em uma zona de segurança, e buscar desafios será visto com bons olhos, futuramente. Além disso, a pessoa precisa ter o desejo de aprender e se aprimorar constantemente, tendo em mente que o que se sabe nunca é o suficiente.
Finalizo, lembrando que o profissional que muda junto com o mundo tem maiores chances de se manter bem colocado e satisfeito, contrariamente a quem opta pela inércia e tem medo de tentar coisas novas.

terça-feira, 27 de novembro de 2018

4 dicas para ser um bom líder

Liderar pessoas é um comportamento complexo, que vai além de técnicas, conhecimentos e experiências. No entanto, nem sempre essas competências nascem com o indivíduo. Elas podem ser moldadas, assim como os hábitos.
Segundo Madalena Feliciano, coach de carreiras e diretora da Outliers Careers e do Instituto Profissional de Coaching, as empresas mudam muito de acordo com os seus líderes e a forma com que cada um deles trabalha. “Um líder que trabalha com as estratégias de coaching ousa ser e fazer diferente, que se importa verdadeiramente com os seus liderados e que entende a importância de buscar no seu interior o melhor de si mesmo para extrair dos outros o melhor de cada um”, explica.
De acordo com a especialista, existem quatro características que precisam ser trabalhadas pelo profissional que deseja liderar uma equipe de forma surpreendente.
1.Criar um ambiente de segurança: “Esta é uma das necessidades básicas de qualquer ser humano e o bom líder sabe que para obter a adesão verdadeira da sua equipe e alcançar os resultados desejados, ele precisa do comprometimento, motivação engajamento de cada colaborador da empresa. Isso só acontecerá quando as pessoas estiverem abertas e receptivas se sentirem seguras para poder agir”, comenta.
2.Ter uma boa comunicação com a equipe: “As palavras são poderosas, e, por isso, a forma de comunicação de um líder é essencial. Para liderar as pessoas, o líder deve desenvolver a habilidade de se comunicar com maestria, para isso, o ideal é aprender a ouvir a essência do que dizem os colaboradores, compreender o modelo de mundo do seu liderado, a fim de adequar a linguagem e o meio de comunicação, e construir uma forma de comunicação clara, positiva e afirmativa”, completa a coach.
3. Caminhe junto com a equipe: “Se você quer que os seus liderados cheguem aonde outros não chegaram, vejam além do que os outros enxergam e que se esforcem além dos seus limites, você deve estar lá com eles, não apenas dizendo-os o que fazer, mas guiando-os”, afirma Madalena.
4. Viva no presente e tenha foco no futuro: “A verdadeira arte da liderança está em saber viver no presente com foco no futuro. Para isso, o ideal é manter a visão estratégica que o levará ao sucesso, ter prazer na sua profissão e na sua forma de trabalhar, acostumar-se a inspirar e influenciar toda sua equipe a partir do seu próprio comportamento e atitude e lembrar-se do passado com orgulho – mas, principalmente, viver o presente com alegria, paixão e excelência, sempre mantendo o olhar no futuro com a certeza de bons resultados”, conclui a coach.
x

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

LinkedIn: Um auxilio profissional

A internet tem dado, cada vez mais, força para pessoas que, com certo receio, desejam mudar de emprego/carreira.

Mas, como ela faz isso?
Mostrando exemplos de que sim, é possível obter sucesso em outras atividades e que, utilizando as ferramentas que ela oferece de forma correta, isso se torna ainda mais possível e eficiente. E umas das principais ferramentas oferecidas pela internet são as redes sociais.
Segundo Madalena Feliciano, Gestora de Carreira da Outliers Careers, uma das redes sociais que mais auxiliam o profissional nesse processo é o LinkedIn. “Esse é considerado como a maior rede social profissional do mundo. Suas principais funções são auxiliar no contato profissional, negócios em geral, buscar oportunidades de empregos, aumentar e manter o networking sempre atualizado, oferecer uma oportunidade para o seu currículo estar online 24 horas por dia, 7 dias por semana, etc.”, resume a gestora.
Uma das profissionais que percebeu a importância que o LinkedIn poderia ter em sua carreira – e que procurou o auxílio da Outliers Careers para tornar essa mudança ainda mais efetiva – foi a farmacêutica Renata dos Santos Amaral, paulistana de 39 anos que trabalhou durante 11 anos em uma indústria farmacêutica nacional de grande porte e que, de forma voluntária, decidiu deixar o seu cargo a algum tempo.
Renata já possuía uma conta no LinkedIn desde 2009, porém, as informações disponíveis em seu perfil eram enxutas, sem muitas explanações sobre as atividades desenvolvidas nas empresas em que trabalhou. O perfil era praticamente um currículo resumido.
Ao sair da empresa a qual trabalhou durante mais de 10 anos, a farmacêutica decidiu buscar novos desafios, e, para passar por esse momento com um bom auxílio profissional, ela contratou a Outliers Careers, uma empresa de gestão de carreira e coaching, pra que ela pudesse continuar se desenvolvendo, mesmo estando fora do mercado, e dando andamento ao seu plano de carreira.
“Um dos trabalhos oferecidos pela empresa é a checagem de como o futuro candidato está inserido na mídia e o quão conhecido/popular ele é – e o LinkedIn é um grande ajudante nesse processo. A rede apresenta indicadores que mostram quantas pessoas visitaram meu perfil, qual o grau de relação que eu tenho com essas pessoas, qual a relação percentual de visitação entre uma semana e outra e ainda mostra um gráfico para corroborar as informações. Há outros benefícios na conta Premium, mas a básica oferece todo o mencionado acima”, comenta a profissional.
Como Renata já conhecia a rede, ela achou que seu perfil estava em boas condições, que apenas precisavam de alguns ajustes – e então Gasparetto provou o contrário. “Foi extremamente inesperada a quantidade de sugestões de alterações no meu perfil observadas pelo João Vitor. Foi como uma grande lista de ‘tarefa de casa’. Comecei a entender a importância do LinkedIn quando ele me disse ‘Renata, essa ferramenta tem muito poder e as pessoas a subestimam. Ali você pode ter contatos profissionais, participar de debates, mostrar do que você é capaz e seu diferencial’”, relembra.
Após receber as orientações, Renata fez as mudanças sugeridas pelo profissional. “Hoje é possível ver todo meu histórico profissional, minha evolução dentro de cada empresa, meu papel dentro da organização, o que me destaca, quais meus pontos fortes, quais ferramentas conheço, cursos que já fiz, quais mba’s, quais línguas que possuo domínio, enfim, todos os passos da minha carreira até a data de hoje”, diz.
Além disso, a profissional também tornou-se mais ativa em grupos e debates e solicitou recomendações de ex-colegas de trabalho. “Saber o que um ex-colega pensa do seu trabalho, ver que vários deles atestaram muito daquilo que construí ao longo dos anos e ‘assinaram em baixo’ foi muito edificador. A cada recomendação recebida, mais empolgada e agradecida eu ficava”, reconhece.
Toda essa reestruturação teve o auxílio da Outliers Careers. Em menos de um mês, os resultados são impressionantes: 63 recomendações; 407 indicações de competências em atividades diversas; aumento de 308 para 470 conexões; sua colocação de perfis visualizados em comparação com suas conexões era em torno de 150º e atualmente está em 27º. Durante esse pequeno espaço de tempo, a profissional já conseguiu agendar duas entrevistas para emprego de nível executivo.
“Com tudo isso, é possível concluir o quão importante é essa rede, principalmente para quem busca uma recolocação no mercado. Além disso, percebo como é gratificante passar por esse processo com o apoio de um profissional qualificado, que realmente entende os pontos a serem corrigidos e melhorados, como foi o auxílio prestado pela Outliers Careers. Estou muito satisfeita com o resultado – e esse é só o começo”, conclui Renata.

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

A importância do coaching na gestão de pessoas

“Nunca seduza uma pessoa para trabalhar na sua empresa, faça com que ela deseje fazer parte da sua equipe”, diz Madalena Feliciano, Diretora do Instituto Profissional de Coaching

Coaching é uma metodologia que busca atender as seguintes necessidades humanas: atingir metas, solucionar problemas e desenvolver novas habilidades. É um processo de aprendizagem e desenvolvimento de competências comportamentais, psicológicas e emocionais, direcionado à conquista de objetivos e obtenção de resultados.
O coaching pode ajudar tanto na vida pessoal quanto na profissional, desde a gestão de pessoas até questões que envolvam o casamento, por exemplo. A Outliers Careers utiliza a metodologia do Coaching como uma ferramenta transformadora em seus projetos, porque além de promover o autoconhecimento das pessoas, promove o crescimento constante em seus colaboradores.
Mas o que é realmente Coaching?
É o processo que ajuda a identificar e trabalhar o potencial que todo ser humano possui, potencializa e desenvolve competências e habilidades necessárias para atingir os resultados desejados. É uma das ferramentas mais utilizadas hoje por pessoas e empresas em todo o mundo. “Mais do que o compromisso com os resultados, o coaching transforma intenções e desejos em ações consistentes e constantes. Em termos gerais, várias pessoas recorrem aos profissionais para conseguir direção e equilíbrio. Existe uma enorme parcela de pessoas que estão vivendo com qualidade, porém, esperam mais da vida, apenas não sabem o que fazer e nem como começar para conseguir melhorar, e um Coach auxilia as pessoas a terem uma vida com maior qualidade” exalta Madalena Feliciano, Gestora de Carreira da Outliers Careers.
O coaching já está presente em 88% das organizações no Reino Unido e 70% das empresas australianas, segundo a Bristol University. No Brasil, 92% dos líderes que atuaram com essas técnicas planejam recontratar ou continuar o trabalho.
No estudo da FASTCOMPANY.COM (2007), o Dr. Brian Underhill descobriu que 43% dos CEOS e 71% dos altos executivos já trabalharam com um coach, 63% das organizações tem plano de aumentar a utilização do coaching e mais de 92% dos líderes que atuaram com coaches, planejaram recontratar ou continuar o trabalho com os profissionais.
Madalena explica que o papel de um Coach dentro da empresa é de conduzir os líderes para que eles obtenham resultados, ajudando-os nas diversas situações de liderança, gestão e negócios, no desenvolvimento de suas competências e na busca do equilíbrio pessoal e profissional, entre outros objetivos.

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Um bom currículo, um ponto positivo

Uma palavra pode ser a diferença entre ser contratado ou não

Quem já se inscreveu para uma vaga de emprego sabe que antes de enfrentar pessoalmente um membro da empresa, tem aquele momento chato e trabalhoso em que é preciso produzir o famoso Curriculum Vitae (CV), ou simplesmente currículo. Entretanto, apesar de exigir um certo nível de paciência, ele deve ser seu maior aliado na hora de chamar a atenção dos empregadores. Portanto, é um tempo bem gasto.
Mas, alguém tem ideia do que colocar da sua experiência profissional em um pedaço de papel? É realmente difícil pensar em algo que destaque e ao mesmo tempo não seja um marketing descarado. Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Carreers, indica alguns dados que saltam aos olhos do recrutador e outros que devem passar à vários quilômetros de distância.
Usualmente, quem examina o currículo tende a pinçar informações importantes antes de ler integralmente, descartando os candidatos que aparentemente não se encaixam, e é nessa hora que algumas palavras fazem toda a diferença. O cargo em que está atualmente ou em que esteve por último é de grande importância, é por meio dele que irão avaliar sua competência. Organização e bom português também fazem parte da lista, além de sua trajetória, como mudanças e promoções são analisados de cara, para saber se não é um funcionário que troca de emprego toda hora.
A instituição onde estudou ou nome de empresas em que tenha trabalhado, se forem conhecidos, contam pontos para o recrutador. O endereço residencial é de suma importância, porque algumas companhias preferem funcionários que moram perto ou que não demoram para chegar. Por fim, para chamar atenção do examinador, Madalena explica que termos específicos ligados ao cargo que se almeja devem ser descritos na página, por exemplo, se é um emprego na área de publicidade, Photoshop e recursos desse tipo se destacam.
Agora, coisas que devem ficar fora do currículo são: empregos passados, ocorridos há mais de dez anos, devem ser brevemente mencionados, se necessário; detalhes de tarefas que realizava na antiga empresa, duas ou três linhas bastam; autoelogios, pois são extremamente mal vistos; fotos e elementos gráficos, porque são desnecessários; número do RG, portfólio, pretensão salarial, são todos assuntos que podem ser discutidos depois; conhecimentos superficiais que não interessam ao cargo e aperfeiçoamentos e cursos que não tem relevância para a área.
Portanto, fazer um currículo exige tempo e dedicação, mas com essas dicas não há como falhar. Existem modelos de formatação de currículos na internet, e é possível escolher de acordo com sua fase na carreira ou segundo sua personalidade. Escolha um e mãos à obra.

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Uma boa liderança

Liderar pessoas é um comportamento complexo, que vai além de técnicas, conhecimentos e experiências. No entanto, nem sempre essas competências nascem com o indivíduo, e com os estudos desenvolvidos pelos especialistas de coaching, hoje em dia, essas técnicas podem ser ensinados, assim como novos hábitos podem ser inseridos no dia-a-dia das pessoas. Ser um bom líder no mercado de trabalho hoje em dia é uma função que exige muito do profissional e, para aprender a fazer isso da melhor forma, o coaching é um dos melhores recursos possíveis.
Segundo Madalena Feliciano, coach de carreiras e diretora da Outliers Careers e do Instituto Profissional de Coaching, as empresas mudam muito de acordo com os seus líderes e a forma com que cada um deles trabalha. “Um líder que trabalha com as estratégias de coaching que lhe foram ensinadas é aquele que ousa ser e fazer diferente, que se importa verdadeiramente com os seus liderados e que entende a importância de buscar no seu interior o melhor de si mesmo para extrair dos outros o melhor de cada um”, explica.
De acordo com a especialista, existem quatro características que precisam ser trabalhadas pelo profissional que deseja liderar uma equipe de forma surpreendente.

  1. Criar um ambiente de segurança: “Esta é uma das necessidades básicas de qualquer ser humano e o bom líder sabe que para obter a adesão verdadeira da sua equipe e alcançar os resultados desejados, ele precisa do comprometimento, motivação engajamento de cada colaborador da empresa. Isso só acontecerá quando as pessoas estiverem abertas e receptivas se sentirem seguras para poder agir”, comenta
  1. Ter uma boa comunicação com a equipe: “As palavras são poderosas, e, por isso, a forma de comunicação de um líder é essencial. Para liderar as pessoas, o líder deve desenvolver a habilidade de se comunicar com maestria, para isso, o ideal é aprender a ouvir a essência do que dizem os colaboradores, compreender o modelo de mundo do seu liderado, a fim de adequar a linguagem e o meio de comunicação, e construir uma forma de comunicação clara, positiva e afirmativa”, completa a coach.
  1. Caminhe junto com a equipe: “Se você quer que os seus liderados cheguem aonde outros não chegaram, vejam além do que os outros enxergam e que se esforcem além dos seus limites, você deve estar lá com eles, não apenas dizendo-os o que fazer, mas guiando-os”, afirma Madalena.
  1. Viva no presente e tenha foco no futuro: “A verdadeira arte da liderança está em saber viver no presente com foco no futuro. Para isso, o ideal é manter a visão estratégica que o levará ao sucesso, ter prazer na sua profissão e na sua forma de trabalhar, acostumar-se a inspirar e influenciar toda sua equipe a partir do seu próprio comportamento e atitude e lembrar-se do passado com orgulho – mas, principalmente, viver o presente com alegria, paixão e excelência, sempre mantendo o olhar no futuro com a certeza de bons resultados”, conclui a coach.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

As redes em favor das empresas na busca por profissionais

LinkedIn e Facebook são grandes aliados na hora de recrutar novos talentos ou divulgar uma empresa

A importância que a internet tem tanto na vida das pessoas, quanto na realidade corporativa, não para de crescer – e a tendência é que só aumente. Mas, para a sua influência e manuseio gerar um bom resultado, cabe as empresas saberem como utilizá-la a seu favor.
Segundo pesquisa da Education First realizada com 1.023 profissionais da área de negócios em dez países, incluindo o Brasil, 33% responderam que ferramenta digital tem um papel fundamental na promoção da marca e dos produtos de suas organizações. Seja para recrutar/conhecer possíveis novos colaboradores, para divulgar um novo material, construir uma boa imagem online, “medir” a sua popularidade e capacidade de engajamento na internet, as empresas, sejam micro ou multinacionais, começam a reconhecer cada vez mais o poder da internet e das redes sociais, – principalmente aquelas que apresentam um conteúdo que pode ser utilizado na vida profissional, como o Facebook, e principalmente, o LinkedIn. E isso pode ser comprovado por números: segundo pesquisa recente, 66% de pequenas empresas concordam que manter perfis em redes sociais é importante para os negócios, – coisa que, até pouco tempo, era apenas observada pelas grandes empresas.
Madalena Feliciano, Gestora de Carreira da empresa Outliers Careers, comenta que essas duas redes citadas podem auxiliar na divulgação de oportunidades e na obtenção de informações sobre os profissionais ou empresa, já que podem ser uma boa fonte de informação sobre o histórico e experiências – principalmente quando trata-se do LinkedIn.
“Muitas empresas estão buscando profissionais pelo LinkedIn, já que por ali é possível recrutar e/ou selecionar profissionais com experiências em setores similares ou correspondentes ao que a empresa procura. Essa é a tendência do futuro”, diz Madalena.
O processo de recrutamento e seleção torna-se mais rápido e efetivo quando a empresa sabe utilizar a seu favor as redes – porém, como dito anteriormente, é preciso saber utilizá-las corretamente. “Todo cuidado é pouco, já que as empresas ficam muito expostas à reclamações e possíveis críticas feitas por um candidato, e isso pode causar certo constrangimento para a instituição”, ressalta a gestora.
Graças à internet, e principalmente as redes sociais, hoje é mais fácil para as empresas encontrarem profissionais com o perfil que tanto desejam para integrarem seus times. “Porém, para isso, é preciso que tanto a empresa quanto o profissional saibam utilizar bem as ferramentas oferecidas pela web”, comenta Madalena.
O Facebook também auxilia a empresa, mas de outra maneira. “Os usuários costumam demonstrar o apreço que possuem pelas marcas nessa rede, fazendo propaganda de um produto apenas porque gostam, – e nada é mais genuíno e proveitoso do que a propaganda gratuita dos próprios clientes” lembra.
O Facebook é item obrigatório para empresas que desejam passar a imagem de maior credibilidade, modernidade e interatividade. A rede permite a avaliação da instituição, um relacionamento mais estreito entre cliente e empresa, comentários e curtidas, etc. “Quando bem avaliada e atenta para as respostas dos seus ‘fãs’, a empresa torna-se bem quista online – e, com isso, conquista mais clientes e público em geral”, explica o especialista, que ressalta, “ou seja, se você deseja ser visto e lembrado, é preciso ter, pelo menos, uma página boa a bem atualizada no Facebook”.
Trabalhando em união com as ferramentas e facilidades oferecidas por essas duas redes sociais profissionais, assim como estando ciente das consequências que elas podem causar, sua empresa estará mais do que pronta para adentrar essa nova era digital. Você está esperando o que para usar – e abusar – da internet e suas infinitas possibilidades?

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Deixar o emprego e iniciar um novo negócio: vale à pena ? Quando é a hora ?

Largar o certo pelo duvidoso requer coragem e disposição – mas, muitas vezes, traz consigo a felicidade que o profissional não encontrava no antigo trabalho

Deixar um trabalho certo e estável para abrir seu próprio negócio pode parecer algo um tanto quanto assustador. É preciso estar mais do que preparado para dar esse grande salto – e não simplesmente “pular sem olhar para baixo” e sem medir as possíveis consequências. Além da coragem necessária para essa nova fase, existem formas mais seguras de alcançar o sucesso e aumentar as possibilidades de ser bem sucedido na abertura do novo negócio, só é preciso muito estudo e atenção em cada atitude.
Segundo Madalena Feliciano, Gestora de Carreira da Outliers Careers, é cada vez mais comum as pessoas desejarem abrir o seu próprio negócio e serem os seus próprios chefes, talvez pelo sonho de liberdade ou de poderem fazer o que gostam em seu próprio horário de trabalho – e, assim, sobrando mais tempo para sua vida particular.
Porém, não é sempre isso o que acontece. Qualquer um que deseja empreender e abrir o seu próprio negócio deve estar ciente que muitas vezes o novo trabalho ocupa mais tempo do que o antigo, por isso, ele deve ser algo que seja prazeroso para o profissional. “O inicio de qualquer negócio é algo que exige atenção e muita vontade, o que leva ao dono da instituição exercer a função além daquelas 8 horas diárias de segunda a sexta. Ou seja: Prepare-se para virar noites trabalhando”, diz Madalena.
Para saber se está apto a trabalhar por conta, antes de tudo é preciso ter uma boa ideia, estudar muito sobre a área em que se deseja abrir o negócio, estudar os concorrentes, ter bons conselheiros, um capital inicial disponível para investir na empresa, ter a certeza de que esse novo emprego lhe trará mais satisfação que o antigo, acreditar que o negócio não quebrará em, no mínimo, três anos, uma boa rede de contatos e autoconhecimento, para saber se você é disciplinado o suficiente para manter um negócio próprio.
“Você tem um bom produto ou serviço a ser oferecido? Ele já foi testado? Existem clientes reais que se interessam pelo o que eu vou oferecer? Essas são perguntas cruciais. Se a resposta for negativa, o melhor caminho pode ser voltar para o papel e caneta e começar do zero. É preciso que você seja capaz de descrever em poucas palavras o que seu serviço/produto é capaz de trazer como benefício para seus clientes. A partir desse momento, se torna concreto que você sabe o que quer oferecer ao mercado e como fará isso”, exalta a especialista.
Outro aspecto importante é escolher o local em que irá instalar o novo negócio, como será a estrutura, com quem irá se associar, onde captar recursos financeiros adicionais, a burocracia da documentação, etc. Esses são desafios que mexem com à paciência do empreendedor, mas que são necessários no início de qualquer projeto.
“Já com o negócio em andamento surgem as características comuns encontradas em qualquer emprego: gerenciar funcionários, lidar com pessoas, controlar estoques, negociações comerciais, pagamento de impostos… É preciso que o empreendedor saiba lidar com isso sem se estressar, já que são questões que acontecerão de forma contínua,” comenta Madalena.
A especialista comenta que esse não é um objetivo fácil de ser atingido, mas que, quando bem pensado e feito com atenção vale a pena o esforço. “Fazendo essa transição com naturalidade e muita vontade, tudo acontecerá mais facilmente, mesmo sendo sua primeira experiência como empreendedor. É preciso passar por vários obstáculos que surgem no caminho, mas, no final não há nada como ter um negócio para chamar de seu – e ter orgulho disso”, conclui.