sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Uma boa liderança

Liderar pessoas é um comportamento complexo, que vai além de técnicas, conhecimentos e experiências. No entanto, nem sempre essas competências nascem com o indivíduo, e com os estudos desenvolvidos pelos especialistas de coaching, hoje em dia, essas técnicas podem ser ensinados, assim como novos hábitos podem ser inseridos no dia-a-dia das pessoas. Ser um bom líder no mercado de trabalho hoje em dia é uma função que exige muito do profissional e, para aprender a fazer isso da melhor forma, o coaching é um dos melhores recursos possíveis.
Segundo Madalena Feliciano, coach de carreiras e diretora da Outliers Careers e do Instituto Profissional de Coaching, as empresas mudam muito de acordo com os seus líderes e a forma com que cada um deles trabalha. “Um líder que trabalha com as estratégias de coaching que lhe foram ensinadas é aquele que ousa ser e fazer diferente, que se importa verdadeiramente com os seus liderados e que entende a importância de buscar no seu interior o melhor de si mesmo para extrair dos outros o melhor de cada um”, explica.
De acordo com a especialista, existem quatro características que precisam ser trabalhadas pelo profissional que deseja liderar uma equipe de forma surpreendente.
1.Criar um ambiente de segurança: “Esta é uma das necessidades básicas de qualquer ser humano e o bom líder sabe que para obter a adesão verdadeira da sua equipe e alcançar os resultados desejados, ele precisa do comprometimento, motivação engajamento de cada colaborador da empresa. Isso só acontecerá quando as pessoas estiverem abertas e receptivas se sentirem seguras para poder agir”, comenta.
2.Ter uma boa comunicação com a equipe: “As palavras são poderosas, e, por isso, a forma de comunicação de um líder é essencial. Para liderar as pessoas, o líder deve desenvolver a habilidade de se comunicar com maestria, para isso, o ideal é aprender a ouvir a essência do que dizem os colaboradores, compreender o modelo de mundo do seu liderado, a fim de adequar a linguagem e o meio de comunicação, e construir uma forma de comunicação clara, positiva e afirmativa”, completa a coach.
3. Caminhe junto com a equipe: “Se você quer que os seus liderados cheguem aonde outros não chegaram, vejam além do que os outros enxergam e que se esforcem além dos seus limites, você deve estar lá com eles, não apenas dizendo-os o que fazer, mas guiando-os”, afirma Madalena.
4. Viva no presente e tenha foco no futuro: “A verdadeira arte da liderança está em saber viver no presente com foco no futuro. Para isso, o ideal é manter a visão estratégica que o levará ao sucesso, ter prazer na sua profissão e na sua forma de trabalhar, acostumar-se a inspirar e influenciar toda sua equipe a partir do seu próprio comportamento e atitude e lembrar-se do passado com orgulho – mas, principalmente, viver o presente com alegria, paixão e excelência, sempre mantendo o olhar no futuro com a certeza de bons resultados”, conclui a coach.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Planejando a transição de carreira

Deixar um cargo certo para investir em um novo negócio é atitude cada vez mais comum. Como passar por esse processo?
Ano novo, mudanças, novos objetivos, novos sonhos e desejos... Não há hora melhor do que essa para investir nos planos que estão no papel há tempos – mas que insistem em não sair de lá. Essa é a hora do décimo terceiro salário, das férias e, a princípio do descanso, mas muitas pessoas aproveitam o tempo livre e o dinheiro a mais para investirem em seus novos negócios e mudarem de vez a sua carreira.
Ainda existe certo tabu na hora de deixar um emprego certo para apostar em uma nova carreira, e muito disso acontece porque as pessoas, mesmo sem querer, acabam por criar um vínculo com a profissão que exercem, com o cargo ocupado e com o salário que recebem. Além disso, também há a pressão externa da família e amigos, que condenam o fato de deixar de lado uma carreira já consolidada para apostar em algo novo, ainda mais quando se trata de pessoas mais experientes. Mas apesar de todos esses obstáculos, é cada vez mais comum observar pessoas que deixam de lado a vida “certa” para seguirem o caminho que desejam, mesmo que isso exija maior esforço e traga menos retorno financeiro, pelo menos no início.
Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, deixar um trabalho certo e estável para abrir seu próprio negócio pode parecer assustador, e, para dar esse grande salto é preciso estar preparado, ter um bom planejamento e saber com quem contar. “Não existe receita para que o resultado seja 100% positivo, mas existem sim algumas atitudes que podem ser tomadas para fazer com que o período de transição traga consigo aprendizado e sucesso – mesmo que seja em um prazo maior”, explica.
Antes de qualquer atitude, o profissional precisa saber se tem uma boa ideia para colocar em prática, e, para isso, é preciso estudar a área de atuação, estudar os concorrentes, ter bons conselheiros, um capital inicial disponível para investir na empresa, ter a certeza de que esse novo emprego lhe trará mais satisfação que o antigo, acreditar que o negócio não quebrará em, no mínimo, três anos, uma boa rede de contatos e autoconhecimento, para saber se ele é disciplinado o suficiente para manter um negócio próprio.
“Além disso tudo, o profissional que deseja empreender precisa estar ciente de que muitas vezes o novo trabalho ocupa mais tempo do que o antigo, principalmente no início, e, por isso, deve ser algo prazeroso. Prepare-se para virar noites trabalhando e pensando sobre como resolver possíveis problemas”, exalta Madalena.
A profissional diz que o novo empreendedor deve ser capaz de descrever em poucas palavras o que seu serviço/produto é capaz de trazer como benefício para os clientes. “É a partir desse momento que se torna concreto o que você está fazendo, deixando claro que você sabe o que tem a oferecer ao mercado e como fará isso”, explica.
E especialista comenta que esse não é um objetivo fácil de ser atingido, mas que não existe idade máxima para ser realizado (diferentemente do que muitos pensam) e que, quando bem pensado, estudado e desenvolvido com atenção vale a pena o esforço. “Fazendo essa transição com dedicação e vontade, tudo acontece de forma mais natural, mesmo quando se trata da primeira experiência como empreendedor. É preciso passar por vários obstáculos que surgem no caminho, mas, no final não há nada como ter um negócio para chamar de seu – e ter orgulho disso”, conclui.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Aprenda a falar do seu negócio e forme alianças

Networking é uma palavra que já se incorporou ao cotidiano profissional e tornou-se símbolo de reconhecimento e prestígio. Do inglês, que significa “rede de contatos”, essa expressão pode ser definida com uma das maiores razões do sucesso de qualquer empresa, seja micro, pequena ou grande. Um bom relacionamento empresarial pode te abrir portas para grandes parcerias, importantes clientes e também uma ótima vida social no ramo pessoal. Essas relações geram aprendizados, crescimento e se tira aspectos positivos e produtivos para adicionar no dia-a-dia. E entender porque o networking é tão importante, não é muito difícil.
Madalena Feliciano, gestora de carreiras e diretora da empresa de recolocação de mercado, Outliers Careers, comenta que o ser humano é muito sociável, isso quer dizer, que ele tem hábitos de convívio com outras pessoas. “Se cada um souber tirar proveito disso da melhor maneira, a vida poderá melhorar em vários aspectos. O essencial é sempre tomar cuidado e ter bem claro quem é a sua rede”, comenta.
Segundo a gestora, existem ações importantes que diferenciam aquelas pessoas que sabem fazer networking da maneira correta daqueles que se tornam chatos e oportunistas. “Uma boa dica é diferenciar as pessoas por categorias para facilitar a organização da rede de contatos. Uma das formas mais simples é fazer uma lista de pessoas e classificar conforme categorias definidas por você: negócios, família, amigos, faculdade, esportes etc.”, exemplifica a especialista.
Outro ponto importante para quem quer manter o networking em dia é participar de eventos. “Quem é visto é lembrado. Quanto mais você estiver presente em eventos importantes mais as pessoas saberão sobre você. Porém, é importante não exagerar, ou pode queimar sua imagem. O ideal é fazer escolhas e decidir os melhores eventos para participar. Os que podem trazer maiores frutos para o futuro e proporcionar conhecer pessoas interessantes”, aconselha Madalena.
Madalena acrescenta dizendo que, não adianta ter um ótimo networking e contatos certos, se não há comunicação e interação com eles. “Ninguém gosta daquele conhecido que passa anos sem manter contato, mas volta quando precisa de um favor”, diz. Hoje em dia as redes sociais tornaram-se grandes aliadas para o networking. “Participar de redes como Linkedin, Twitter, Facebook, etc., podem ajudar no processo, mas é preciso tomar cuidado e sempre lembrar que, apesar do apoio tecnológico, o mais importante ainda é o contato one-to-one” comenta.
Além disso, Madalena diz que não pega bem apenas entrar em contato com sua lista de networking, apenas para vender sua ideia/produto/serviço. “O ideal é que sejam utilizadas diferentes estratégias de comunicação. Estude a sua lista de contatos, entenda o que elas procuram e o que querem. Estabeleça padrões e critérios para os contatos profissionais. Marque um dia da semana ou período específico para fazer contatos com pessoas estratégicas. No campo pessoal, lembre-se que os amigos gostam de receber um telefonema, torpedo, e-mail ou uma visita. Diversifique, não faça com que as coisas pareçam forçadas e não ‘alugue’ uma única pessoa”, conclui.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

O que seu currículo deve ter para se destacar?

Na hora de procurar um novo emprego, as pessoas normalmente pensam no que elas querem fazer, quanto elas querem ganhar e no momento da entrevista. Poucos candidatos pensam no que vem antes de tudo isso: a apresentação do profissional. E isso é feito, primeiramente, por meio do currículo.

Muitos ainda pensam que o CV (Curriculum Vitae, como é formalmente chamado) não passa de um pedaço de papel e o importante é o que será apresentado na hora da entrevista presencial. O que essas pessoas não percebem é que, devido ao grande número de candidatos que as empresas geralmente recebem, o currículo acaba sendo, por diversas vezes, o único contato que o profissional tem com a empresa contratante. “O currículo é sua porta de entrada para qualquer lugar. Sem um documento apresentável, dificilmente o entrevistador, ou quem quer que seja que analise os currículos dos candidatos, vai se interessar por você”, afirma Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers.

A especialista orienta que um bom currículo deve conter as informações básicas do profissional, além de toda e qualquer outra informação que seja relevante para a sua contratação. “Nome, telefone e e-mail profissional (sem apelidos) são essenciais, mas não pode parar por aí. Informações sobre sua formação universitária e cursos paralelos, como de idiomas ou de outras habilidades também são muito importantes. Seu objetivo com aquela entrevista, além de um resumo das suas qualificações e experiências profissionais não podem ser deixados de lado. Caso você trabalhe ou já tenha trabalhado com filantropia também adicione essa informação, pois é um diferencial”, explica.


Madalena diz que, ao mesmo tempo em que o currículo deva ser claro e objetivo, a pessoa não pode se acanhar. “Ao falar de suas habilidades, não tenha medo de fazer um pouco de marketing pessoal, apresentando casos de clientes anteriores e que obtiveram sucesso com sua ajuda, por exemplo. Para quem nunca trabalhou e está atrás de uma primeira experiência, não é preciso pânico, afinal, esse é o momento de demonstrar, seja por meio do currículo ou ainda na entrevista, que você já está buscando garantir seu futuro, e exaltar isso também é importante. O problema principal nessas horas são as mentiras, que têm pernas curtas acabam sendo um tiro no próprio pé”, alerta.


A profissional fala também que muitas pessoas estão diferenciando seus currículos cada vez mais pela tecnologia. “Muitos jovens estão produzindo seu currículo ou até mesmo seu portfólio de maneira mais dinâmica, com vídeos, animações e fotos. Isso pode mostrar ao recrutador que você é uma pessoa criativa e que gera novas ideias, fazendo você se destacar. Experiências internacionais também estão contando bastante pontos atualmente”, conta.



Além disso, Madalena diz que estar sempre atualizando seu CV pode ser importante para você nunca esquecer de nada. “Muita gente acaba deixando de lado e só vai atualizar na última hora para mandar, por isso é sempre bom indo atualizando a cada experiência que você tem. E para quem não sabe qual a melhor forma de montar seu CV, existem milhares de modelos na internet ou você pode buscar ajuda de pessoas especializadas no assunto que ajudar nessa tarefa. E caso você for montar sozinho, a dica principal é não esquecer de mostrar seus diferenciais”, conclui Madalena.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

A importância de se planejar a carreira ainda na faculdade

Quanto mais cedo se começa a traçar as metas da carreira, mais bem sucedido é o profissional 

No atual mundo globalizado, em que as mudanças ocorrem muito mais rapidamente e a concorrência no mercado é cada vez mais alta, planejar a carreira se tornou fundamental. Por muito tempo, os profissionais contavam apenas com os planos de carreira oferecidos por suas empresas contratantes, hoje em dia, com as diversas opções de especializações, se você quer diversificar o currículo e explorar diferentes vertentes da sua profissão, é preciso se planejar.

A Gestora de Carreiras e diretora da Outliers Careers e do Instituto Profissional de Coaching, Madalena Feliciano, diz que se deve começar cedo. “Se você ainda está na faculdade, é essencial que comece a pensar no rumo que quer tomar na sua carreira, nas diferentes especializações que gostaria de ter e colocar no papel, para se planejar”, comenta.

Segundo Madalena, qualificação nunca é demais. “Há alguns cursos profissionalizantes que o graduando pode fazer que tem a ver com a sua área de atuação, mas que não requerem ainda o diploma. Dessa forma, mesmo que ainda na faculdade, ele adquire mais conhecimento técnico que será muito bem visto na entrevista de estágio dos sonhos”, aconselha.

A Gestora acrescenta, dizendo que esses planejamentos não podem apenas ficar na cabeça. “Coloque-os no papel, trace metas e o objetivo. Diga em quanto tempo você pretende atingir todos eles. Isso lhe dará mais direção até mesmo para com estágios e trainees, para enxergar se os seus objetivos estão realmente te colocando na direção certa. O profissional que atira para todos os lados acaba se perdendo na carreira”, afirma Madalena.


É importante também reconhecer os recursos disponíveis e, desde o começo, definir o foco de ação a busca pelos resultados. “O êxito e o triunfo não podem ser comprados, porém, o sucesso de cada um depende muito mais de si próprio do que se pensa”, conclui a especialista.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

1 em cada 3 passará vergonha na festa da firma. Saiba como não ser esta pessoa

Sim, você será avaliado na festa de fim de ano da sua empresa. Gestora de carreiras mostra como não cometer gafes


O ano está acabando e, com ele, a festa de confraternização da empresa vem aí. E a chance de você passar alguma vergonha na frente dos seus colegas e chefes é consideravelmente alta.
Um estudo feito pela empresa de marketing OnePoll, em parceria com o site de planejamento social Evite, revelou que 1 em cada 3 funcionários vai cometer alguma gafe durante a festa de fim de ano da empresa.
Segundo o estudo, o ambiente é propício para isso: o clima festivo, colegas de trabalho reunidos e bebida à vontade podem desencadear certos gatilhos, como ressentimentos, desentendimentos e até brincadeiras de mau gosto. De acordo com o levantamento, 2 em cada 5 entrevistados confessam já ter cometido alguma gafe na confraternização ou ouviram fofocas e revelações sobre outros colegas.
Para não ser o próximo, a gestora de carreiras Madalena Feliciano contou ao HuffPost Brasil alguns dos erros mais comuns que os funcionários cometem na festa da firma. Veja quais são eles e como evitá-los:
Não beba além da conta
Como já diz o ditado: a bebida entra e a verdade sai. Um ambiente mais descontraído com bebida alcoólica liberada é uma combinação perigosa, já que a festa de fim de ano continua sendo uma extensão do trabalho. "As pessoas precisam estabelecer limites para não se tornar alvo de chacota e outros rótulos", lembra Feliciano. "Mesmo que seja fora do ambiente corporativo, você está com seus chefes, seus pares e funcionários. Não pega bem ficar bêbado."
A solução é a conhecida moderação. Entre um drink e outro, beba um copo d'agua e não se esqueça de se alimentar.
Não seja o inconveniente
A festa corporativa normalmente tem o objetivo de comemorar as realizações do ano e fazer o famoso "social" com o pessoal. Mas tudo tem limite. Segundo a gestora de carreiras, um outro erro comum é ultrapassar o bom senso. "Siga regras de etiqueta básicas: ser o último a sair (e atrapalhar o anfitrião), falar muito alto, falar palavrão, fazer brincadeirinhas com quem não tem muito contato. E, principalmente, evite fofoquinhas entre os colegas", disse. Basicamente, não seja aquela pessoa inconveniente.
Não seja o puxa-saco
A gestora de carreiras é enfática: não há nada pior do que ter um puxa-saco do chefe na equipe. E na festa de fim de ano é pior ainda. "Se aproxime de todos os grupos, seus pares e chefes, mas tenha um bom ritmo de conversa, sem ser puxa-saco."
Não fale do trabalho
Outro erro comum é falar do trabalho com a equipe -- ou pior, cobrar os afazeres dos funcionários ou dar broncas. A festa é para descontração e não para cobranças ou conversas baixo-astral.
Deixe a paquera para outro momento
"Existe o ditado: onde se ganha o pão não come a carne", disse Feliciano. Apesar de algumas empresas serem mais flexíveis, a profissional lembra que a paquera com os pares pode ficar para outro momento. "Pega mal, não dá pra passar da medida em uma festa corporativa, pois você continua sendo avaliado por seus superiores", lembra.
Conheça os limites da empresa
A especialista aconselha sempre ponderar seu comportamento de acordo com as atitudes dos seus pares e chefes. Então, observe seu entorno.
Comportamento inadequado pode causar demissão?
Para Feliciano, é difícil o comportamento na festa da firma ser a causa de uma demissão, mas pode atrapalhar o crescimento do profissional na empresa.
Segundo ela, mais de 80% das demissões são causadas por falhas comportamentais dentro do ambiente de trabalho. "Imagina em uma festa que rola álcool", pondera.
Portanto, a melhor dica é ter bom senso. Sempre, pessoal!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Aprenda a fazer seu marketing pessoal e a conquistar seu espaço

Boa comunicação e bom relacionamento. Essas palavras nunca foram tão importantes quanto hoje, – principalmente quando se trata do mundo corporativo. A pessoa que tem boa relação com seus colegas de equipe ou até mesmo aquela que está fora do mercado de trabalho, mas possui uma boa ferramenta de comunicação e sabe como se relacionar com demais pessoas, parece estar sempre um passo à frente. Parece, não: está.
Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, comenta que hoje, saber como se comportar e como transmitir a sua imagem pessoal frente à sociedade é algo extremamente importante para conquistar e manter o sucesso e bons cargos de trabalho.  A verdade é que a forma a qual as pessoas se comunicam e se comportam frente a sua empresa, sua equipe, a uma entrevista de trabalho, etc., podem criar empatia – ou antipatia, dependendo do caso.
É aí que entra o marketing pessoal. A questão é: você pode ser o melhor trabalhador do mundo, mas, se não deixar isso transparecer por meio de atitudes, fala, postura, posicionamento – seja na ‘vida real’ ou em perfis de redes sociais/profissionais online – é possível que sua equipe, seu chefe ou futuro chefe; não percebam que você possui todo esse potencial escondido em você.
O marketing pessoal, quando bem feito, é um grande diferencial tanto na hora da contratação quanto no dia-a-dia de uma empresa. “Uma história comum: duas pessoas com currículos parecidos fazem o mesmo trabalho dentro de uma empresa, porém, apenas uma delas se destaca e é utilizada como exemplo. Por que isso acontece? Porque nem tudo se resume ao trabalho. Essa pessoa que ganha mais atenção provavelmente sabe fazer seu marketing pessoal e destacar suas qualidades que vão além da função profissional.
Sabendo da importância que o marketing pessoal representa nas relações tanto de trabalho quanto pessoal, separei algumas dicas que podem ser seguidas por aqueles que desejam se destacar e conquistar uma vaga de trabalho, tornar-se exemplo na empresa que atuam, manter um bom emprego, etc:
  1. Seja uma pessoa bem humorada e otimista, alguém que as pessoas desejam estar perto;
  2. Saiba trabalhar em equipe, administrar conflitos e influenciar os outros pelas ações, não somente pelas palavras;
  3. Respeito, honestidade, fidelidade, gentileza e humildade nunca fizeram mal a ninguém – invista nessas características;
  4. Prometeu: cumpra. Simples assim. Pessoas de palavra, confiáveis e responsáveis são muito valorizadas no ambiente profissional e pessoal;
  5. Reconheça seus pontos fracos e seus pontos fortes – e sempre trabalhe para melhorá-los;
  6. Utilize a internet a seu favor: cultive seu networking, dando sempre feedback para seus colegas, mantendo-se atualizado nas redes sociais e profissionais (Facebook e Linkedin, por exemplo), deixando o currículo sempre em dia, checando e-mails, mostrando que está ‘ligado’ com os acontecimentos do mundo, etc.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Driblando a crise: investir no coaching para otimizar seus resultados


Com o mercado altamente competitivo que se percebe atualmente, em que apenas possuir um diploma universitário não é o suficiente para se destacar, outras formas de diferenciação são procuradas pelos profissionais. A crise financeira a qual o Brasil atualmente está passando também influencia nesse cenário: pessoas que recentemente perderam seus empregos, ou que lutam para que isso não aconteça, percebem a necessidade de melhorar seus resultados e métodos de trabalho, e, para isso, precisam, muitas vezes, de ajuda profissional.
Nesse cenário, alternativas são buscadas para melhorar o desempenho de pessoas e empresas, visando driblar a realidade. Nisso, eis que surge o coaching: metodologia utilizada para potencializar a conquista de resultados profissionais e pessoais. Assim, com a ajuda do profissional correto, habilitado, treinado e certificado para trabalhar na área, o objetivo pode ser alcançado de forma mais direta e prática possível, com foco e bons resultados.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, “o coaching é uma abordagem guiada para o futuro, para a conquista de objetivos e metas que suscitem mudanças positivas e duradouras na vida das pessoas” diz. 


O profissional (coach) deve manter o foco na meta definida pelo coachee (cliente), ajudá-lo a entender o que é necessário fazer ou acontecer para que ele tenha as melhores condições de chegar ao local em que deseja e conquistar seus objetivos. “O coaching ajuda a estimular as habilidades pessoais para a superação de obstáculos e para o alcance de objetivos, de forma que explora o máximo do potencial criativo, intelectual e emocional das pessoas e ajuda a descobrir quais são os pontos fracos e pontos fortes do coachee, a fim de torná-lo mais eficiente” explica Madalena.
O coaching de vida corresponde ao desbloqueio de timidez, cuidados com a saúde, finanças, relacionamentos, espiritualidade, emagrecimento, casamento, gravidez, concursos, comprar um imóvel, voltar à estudar, entre outros. O executivo na melhora de performance empresarial e de resultados, mudança de comportamentos e desenvolvimento de competências e habilidades gerenciais, trabalho em equipe e na gestão de stress.



O coaching de negócios ajuda no desenvolvimento de estratégias para o crescimento da empresa ou de profissional liberal, sucessão, gestão familiar, relacionamento entre sócios, equilíbrio entre vida e negócios. “Essa forma de coaching deve ser realizada com o dono da empresa ou do negócio para ter o resultado desejado”, explica Madalena. 



O coaching de vendas visa o crescimento das vendas e o aumento da conversão em vendas das equipes e vendedores. Além disso, ajuda na identificação de oportunidades e ameaças, com foco em crescimento de vendas e ampliação de mercado. E o coaching de carreira, que ajuda a desenvolver estratégias para o crescimento ou mudança na carreira.



O coaching de negócios ajuda no desenvolvimento de estratégias para o crescimento da empresa ou de profissional liberal, sucessão, gestão familiar, relacionamento entre sócios, equilíbrio entre vida e negócios. “Essa forma de coaching deve ser realizada com o dono da empresa ou do negócio para ter o resultado desejado”, explica Madalena. 



O coaching de vendas visa o crescimento das vendas e o aumento da conversão em vendas das equipes e vendedores. Além disso, ajuda na identificação de oportunidades e ameaças, com foco em crescimento de vendas e ampliação de mercado. E o coaching de carreira, que ajuda a desenvolver estratégias para o crescimento ou mudança na carreira.


Essa é uma metodologia que pode ser utilizada em vários aspectos da vida, mas as suas principais formas de atuação são: coaching executivo, negócios, vida, vendas e de carreira. 
De maneira geral, pode-se dizer que o coaching ajuda o profissional (ou a empresa) a lidarem melhor não só com as pressões do dia a dia, como também se destacarem no mercado. "Por meio do coaching, é possível ajudar grandes corporações a criarem um ambiente de trabalho melhor para seus funcionários, o que aumenta a produtividade e os lucros. Além disso, ao otimizar o trabalho dos colaboradores para áreas específicas, é possível alcançar resultados que nunca foram antes imaginados", conclui Madalena.

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Está se sentindo desmotivada no trabalho? Saiba como sair desse ciclo

Descubra atitudes que vão estimular você a entrar em sintonia com a empresa

Qualquer funcionária pode se sentir desmotivada no trabalho quando atravessa crises ou não se sente confortável com as tarefas que está fazendo. Partindo desse princípio, a coach Madalena Feliciano separou algumas dicas para se manter firme no serviço, recuperando seu estímulo.

Você faz o que gosta?
O primeiro passo é enxergar claramente a função que está desempenhando. Para que um funcionário se sinta motivado e produza mais, é necessário que tenha também uma expectativa de crescimento, de cargo ou de salário.
Assim, cada colaborador estipula metas próprias a serem seguidas, além das já estipuladas no trabalho. A coach indica: “Ao final de cada dia ou semana, faça uma lista do que tem feito na empresa, uma espécie de relatório para avaliar o desenvolvimento do trabalho”.

A importância do seu trabalho
O seu trabalho é diferenciado ou você é só mais um funcionário na empresa? O tipo de trabalho que você realiza é importante para o desenvolvimento geral da empresa? De acordo com a profissional, o segundo passo para se manter motivada é saber que o seu trabalho faz a diferença para algumas pessoas. Segundo Madalena, “se você não está enxergando esse significado, tente ir mais fundo. Você pode analisar seus relatórios semanais para preparar a próxima semana”.

Variedade nas atividades
Um dos grandes pontos de desmotivação no trabalho é fazer tudo igual todos os dias. É importante que, caso tenha que fazer sempre as mesmas atividade, você consiga flexibilizá-las para que o dia de trabalho não se torne cansativo e entediante. A profissional garante que esse tipo de movimento estimula diferentes partes do cérebro que conseguem recarregar a motivação.

Feedback
Tão importante quanto realizar um trabalho é ser reconhecida pelo que fez, seja pelo chefe ou pelo cliente. O feedback (retorno), diferente do que muitos costumam pensar, não serve para mexer com o ego do funcionário, e sim para ajudá-lo a aprimorar as suas habilidades e realizar um trabalho ainda melhor.

Autonomia
Não menos importante que os outros pontos já citados, a autonomia também é um fator de necessária discussão para que a pessoa não se sinta desmotivada no trabalho. Esse caso geralmente atinge os empreendedores, aqueles que têm o próprio negócio, pois têm mais liberdade de escolha do horário no qual vão trabalhar e desempenhar as funções de acordo com sua vontade. “Fugir do convencional e dos padrões ajuda a nos tornarmos mais criativos”, finaliza Madalena.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Investindo em um bom potencial

Abrir uma empresa utilizando economias pessoais ou empréstimos bancários é uma coisa. Sustentá-la por muitos anos ou até para o resto da vida do seu fundador é um desafio completamente diferente. Devido a restrições de financiamento, quando empresas estão começando precisam recorrer a estratégias de negócios mais flexíveis – e não há nada mais flexível no mundo corporativo do que pessoas, capital humano. São inúmeros os motivos que podem fazer com que uma empresa precise contratar novos funcionários – e esse período nem sempre é fácil, tanto para a instituição quanto para as pessoas que estão à procura de uma recolocação no mercado.
Segundo Madalena Feliciano, Gestora de Carreira e Master Coach da Outliers Careers, em menos de dez anos muita coisa mudou a respeito da tecnologia, e aqueles que trabalham no RH das empresas também sentiram esse baque. Uma das mudanças mais bruscas e importantes sentidas nesse curto período do tempo diz respeito às redes sociais, que possuem um papel cada vez mais importante na busca por novos talentos.
Uma boa opção tanto para candidatos quanto para as empresas na hora em que surgem novas vagas é apostar na internet. “Redes sociais como o Facebook e o LinkedIn, por exemplo, permitem que as empresas localizem profissionais com o perfil que tanto desejam para integrarem seus times. No Facebook existem inúmeros grupos voltados para vagas de emprego – e sua empresa pode publicar nesses grupos o perfil do profissional que deseja – e o LinkedIn serve, entre outras inúmeras funções, como uma espécie de Currículo Online, que está disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, e também auxilia na hora de avaliar todo o histórico profissional da pessoa – quando o seu perfil for bem elaborado com todas as informações necessárias, é claro”, comenta Madalena.
Algumas orientações que a gestora oferece para que as empresas utilizem todo o potencial da internet na hora de encontrar bons profissionais são:
  1. Divulgar as vagas da sua empresa de forma eficiente – destacando isso em sua fanpage, em bons grupos do Facebook e investindo no LinkedIn, por exemplo;
  2. Ofereça um local de trabalho atraente. O funcionário de tempo integral fica de 8 a 10 horas no local de trabalho. Assim, ele passa mais tempo ativo no escritório do que em casa.
  3. Fazer uma boa filtragem dos candidatos antes das entrevistas pessoais – utilizando a tecnologia nesse processo, visando minimizar os custos e agilizar o processo, ou seja, pesquisando sobre o perfil do profissional em redes sociais e, caso haja maior interesse, fazendo uma entrevista prévia via webcam;
  4. Estimule o senso de responsabilidade.O empregador que sempre costuma ditar o que seus funcionários devem fazer, não deve se surpreender quando as pessoas ao seu redor se concentram apenas naquilo que lhes é estipulado.
  5. Valorize a sua rede de funcionários. Se você atrair um bom talento por meio de um bom produto, de um local estiloso, com horário de trabalho flexível, alto grau de autonomia, responsabilidade e disposto a acreditar em você e na sua empresa, então suponha que ele sempre falará bem a seu respeito.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

O que fazer hoje para ter uma carreira melhor em 2019?

Planejar a carreira e colocar em prática as promessas são itens importantes para o sucesso.

O ano esta acabando e nada melhor que aproveitar esse clima pra planejar o ano de 2019. Além dos planejamentos sociais tais como parar de fumar, dar mais atenção para família, comer melhor, fazer atividade física, a carreira precisa, também, de atenção. Para isso, organização e foco precisam entrar na lista de ações para o próximo ano.
Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, comenta que aqueles que desejam dar um “up” na carreira não devem perder mais nem um minuto. “Quanto mais tempo se demora para colocar em prática uma promessa, mais se atrasa as próximas – e assim, ao final do ano, teremos pessoas que não cumpriram suas metas por causa de um fator extremamente importante: a falta de organização”, explica.
Por isso, esse deve ser o primeiro aspecto a ser ressaltado: a organização. “Quando tudo é bem planejado e organizado, as pessoas definem um tempo para cada tarefa, estipulam prazos e sentem-se ‘obrigadas’ a cumpri-los”, explica. Como nem sempre essa organização é fácil, uma dica é contar com o apoio de um coach, profissional que auxilia a colocar no papel os objetivos e a torná-los concretos. “É o coachee (cliente) quem toma todas as decisões, o coach apenas ajuda a encontrar um melhor caminho em busca das soluções e objetivos, mantendo sempre o foco no que realmente é importante e organizando melhor a vida do cliente”, exalta Madalena.
A partir do momento em que há o planejamento e a organização, a pessoa pode partir para o lado mais prático: investir de forma concreta em sua carreira. Como? Estudando, apostando em cursos, reciclando conhecimento, conhecendo pessoas novas e aprimorando o networking, etc.
Outro ponto extremamente importante é ter os objetivos muito bem definidos – afinal, de que adianta se esforçar, investir dinheiro e tempo em algo que a pessoa não objetiva alcançar? “Para evitar esse desperdício, é preciso saber onde se deseja chegar em curto, médio e longo prazo, assim como reconhecer os recursos que serão necessários para alcançar aquilo que se deseja”, explica.
Corrigindo os erros dos anos passados, tendo um bom objetivo, que motive a pessoa a seguir em frente assim como um bom plano de ação para conquistá-lo, não há motivos para o sucesso não vir: basta manter o foco e a dedicação naquilo que realmente importa. “O maior erro das pessoas é desperdiçar o seu tempo com coisas pouco importantes. Portanto, decida o que é importante para você e invista seu esforço nisso – assim, com certeza o sucesso virá, seja por meio de elogios, recompensas, aumentos, promoções ou até mesmo realização própria, e não há nada melhor do que estar realizado e satisfeito com suas escolhas e alcances”, conclui Madalena.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Pensar como o dono da empresa

Sua empresa permite que você aja como empreendedor? Aceita sugestões e novidades?

Você, como funcionário, já teve ter escutado alguém lhe falar que “é preciso pensar ou agir como se você fosse o dono da empresa”. Mas, como fazer isso sem parecer arrogância da sua parte, e sim apenas comprometimento com o emprego? Madalena Feliciano, diretora de projetos da Outliers Careers, explica as melhores maneiras de pensar como o dono – e os benefícios que isso pode lhe trazer.

“Normalmente, ao dizerem que você precisa pensar como o dono, as pessoas estão se referindo a maneira com a qual você se preocupa com a empresa. Em tese, quando você pensa como o proprietário, suas preocupações, comprometimento e resultados aumentam – assim como o conhecimento sobre o local de trabalho e clientes”, resume a especialista.

Porém, será que os trabalhadores conseguem pensar na empresa em que trabalham como se fossem donos dela, em vez de meros empregados? O mundo atual comprova que sim – prova disso são as instituições mais bem-sucedidas do mundo procurarem por profissionais que pensem ‘fora da caixinha’. “Independente do cargo, os trabalhadores devem encarar qualquer desafio como se fossem os empresários responsáveis pelo setor, pensando como melhorar processos e economizar recursos dentro de sua área”, comenta Madalena.

Como você acha que os líderes chegaram onde estão? Muitos deles possuem essa característica em comum: a de agirem como empreendedores e estarem dispostos a errar. “O fundamental para o profissional atual é ter uma atitude empreendedora, independente do seu emprego e cargo. Quem não arrisca, não petisca”, lembra Madalena.

Quem empreende corre maiores riscos. É difícil acertar desde o começo – e os possíveis erros significam tempo e dinheiro que foram “jogados fora” na visão de muitas pessoas. Por isso, se você trabalha em uma empresa, garanta que ela apoie o seu empreendimento e possíveis falhas. Apresente bem as suas ideias e diga o que você espera alcançar com seu novo plano. “Praticamente todos os chefes gostam de ouvir novas ideias para sua empresa. Apresente-as formalmente, marcando uma reunião e estando disposto para possíveis críticas. Se não conseguir o apoio da primeira vez, não desista. Melhore o que foi pedido e peça opiniões para pessoas diferentes”, sugere a gestora.

Em geral, os jovens dessa nova geração buscam ser empreendedores, as empresas, por outro lado, buscam reter os seus melhores e jovens talentos. Portanto, quando se é um bom profissional, ter o apoio da empresa é algo mais fácil para apostar em novidades. “Faça tudo bem feito e planejado. Essas preocupações antecipadas podem lhe dar uma imensa vantagem, afinal de contas, a liderança e o empreendimento são a arte de fazer as coisas simples – mas muito bem feitas”, conclui Madalena.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Networking: a chave do sucesso corporativo

A importância do Networking e como criar e manter uma boa rede de relacionamentos

Networking é uma palavra que já se incorporou ao cotidiano profissional e tornou-se símbolo de reconhecimento e prestígio. Do inglês “rede de contatos”, essa expressão pode ser definida com uma das maiores razões do sucesso de qualquer empresa, seja micro, pequena ou grande. Um bom relacionamento empresarial pode te abrir portas para grandes parcerias, importantes clientes e também uma ótima vida social no ramo pessoal. Essas relações geram aprendizados, crescimento e se tira aspectos positivos e produtivos para adicionar no dia-a-dia. E entender porque o networking é tão importante, não é muito difícil.

Madalena Feliciano, gestora de carreiras e diretora da empresa de recolocação de mercado, Outliers Careers, comenta que o ser humano é muito sociável, isso quer dizer, que ele tem hábitos de convívio com outras pessoas: “Se cada um souber tirar proveito disso da melhor maneira, a vida poderá melhorar em vários aspectos. O essencial é sempre tomar cuidado e ter bem claro quem é a sua rede”.
Segundo a gestora, existem ações importantes que diferenciam aquelas pessoas que sabem fazer networking da maneira correta daqueles que se tornam chatos e oportunistas. “Uma boa dica é diferenciar as pessoas por categorias para facilitar a organização da rede de contatos. Uma das formas mais simples é fazer uma lista de pessoas e classificar conforme categorias definidas por você: negócios, família, amigos, faculdade, esportes etc.”, exemplifica a especialista.
Outro ponto importante para quem quer manter o networking em dia é participar de eventos. “Quem é visto é lembrado. Quanto mais você estiver presente em eventos importantes mais as pessoas saberão sobre você. Porém, é importante não exagerar, ou pode queimar sua imagem. O ideal é fazer escolhas e decidir os melhores eventos para participar. Os que podem trazer maiores frutos para o futuro e proporcionar conhecer pessoas interessantes”, aconselha Madalena.
Madalena acrescenta que não adianta ter um ótimo networking e contatos certos se não há comunicação e interação com eles: “Ninguém gosta daquele conhecido que passa anos sem manter contato, mas volta quando precisa de um favor”, diz. Hoje em dia as redes sociais tornaram-se grandes aliadas para o networking. “Participar de redes como Linkedin, Twitter, Facebook, etc., podem ajudar no processo, mas é preciso tomar cuidado e sempre lembrar que, apesar do apoio tecnológico, o mais importante ainda é o contato one-to-one”.
Além disso, Madalena diz que não pega bem apenas entrar em contato com sua lista de networking, apenas para vender sua ideia/produto/serviço. “O ideal é que sejam utilizadas diferentes estratégias de comunicação. Estude a sua lista de contatos, entenda o que elas procuram e o que querem. Estabeleça padrões e critérios para os contatos profissionais. Marque um dia da semana ou período específico para fazer contatos com pessoas estratégicas. No campo pessoal, lembre-se que os amigos gostam de receber um telefonema, torpedo, e-mail ou uma visita. Diversifique, não faça com que as coisas pareçam forçadas e não ‘alugue’ uma única pessoa”, conclui.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018