quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Estágio na terceira idade?

Já se foi o tempo, cujas pessoas com mais de 60 anos não conseguiam uma recolocação profissional no mercado. Com a expectativa de vida cada vez maior, os mais experientes não querem deixar de trabalhar e desejam novas experiências.
 
A volta ao mundo corporativo é um fenômeno recente no Brasil. Os 70 anos de hoje podem ser comparados com os 50 de algumas décadas atrás. Segundo a especialista em transição de mercado, Madalena Feliciano, existem razões para esse regresso. “Cada vez mais as pessoas chegam aos 60 com grandes capacidades profissionais, vontade de ganhar seu próprio dinheiro e ter uma boa vida pessoal”, explica. As empresas, por sua vez, optam por esses profissionais quando a atividade exige mais responsabilidade, disponibilidade e respeito ao horário.
 
Segundo levantamento do Nube, ocorreu um aumento de 21,6% no número de estagiários com mais de 40 anos no mercado entre 2015 e 2016. De acordo com Madalena, não existe idade máxima para se trabalhar. “Eles são contratados, porque a corporação está à procura de maturidade”.
 
Para quem almeja retornar ao ambiente de trabalho, existem algumas recomendações. “Identifique suas principais competências; procure por algo alinhado às suas experiências anteriores; faça um bom currículo; não pareça resistente às mudanças e novidades. Boa apresentação pessoal e postura são muito importantes, capriche nelas; e procure manter-se atualizado sobre a sua área ”, aconselha Madalena.
 
Para o empregador também existem grandes vantagens em contratar essas pessoas. “Em geral, os mais velhos são excelentes para o atendimento a clientes, são mais humildes em reconhecer seus erros e buscar a melhoria, são menos ansiosos, têm paciência para um plano de carreira mais longo, maior disponibilidade de tempo e flexibilidade na negociação do salário, pois já recebem a aposentadoria e por isso o foco do trabalho nem sempre é exclusivamente a remuneração”, incentiva a especialista.
 



Portanto, nada de desanimar. Sempre existe o perfil certo para a vaga certa!

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Esteja pronto para voltar ao mercado de trabalho

Enquanto geração de renda é tema recorrente em período eleitoral, quem sofre com o desemprego lida na prática com as incertezas de um retorno à antiga atividade. Será que o mercado vai melhorar? Quanto tempo ficarei sem exercer a profissão? E o que fazer para conseguir outra oportunidade? São questões como essa que, de acordo com os gestores de carreira, devem ser utilizadas para impulsionar uma reflexão sobre as qualidades e defeitos de cada diante de um cenário crítico.
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de desempregados registrado no país já alcança 14,3 bilhões. Embora seja uma estatística preocupante, a gestora da Outliers Careers, empresa de recolocação profissional, Madalena Feliciano, sugere a tomada de posturas positivas. “Para conquistar qualquer objetivo, o principal componente é a coragem. Desse modo, encarar uma demissão é uma tarefa necessária, por mais difícil que possa parecer.  É claro que existe um período no qual a pessoa sente tristeza pela perda do emprego, mas deve encontrar forças para ir em busca de outras oportunidades”, destaca.
É ponto de partida para se perguntar ‘Você gosta do que faz?’ “Se o tipo de trabalho que realiza não o faz feliz, talvez essa seja a oportunidade de buscar outra coisa, em uma área diferente. Procure o que lhe agrada, assim você terá mais chance de alcançar o sucesso”, completa Feliciano. No caso de seguir por outro rumo profissional, essa escolha deve ser acompanhada de um mapeamento sobre o mercado que se deseja. Só assim para o candidato a uma vaga não cair de paraquedas em uma seleção que, certamente, terá várias pessoas com experiência para ocupa-la.
Feita a escolha, é hora de fortalecer o network através do bom e velho contato com pessoas da área de atuação almejada. Por isso, os aconselhadores de carreira também lembram que é importante não se desligar dos antigos amigos de trabalho ao mesmo tempo em que se está aberto para fazer novos colegas de profissão. Para isso, pode-se usar as redes sociais, além de participar de palestras, workshops e treinamentos em grupo.

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

As habilidades que fazem a diferença

Desenvolver habilidades em várias áreas serve como diferenciação no mercado de trabalho

Todos nascem com talentos e habilidades diferentes, mas, ao longo da vida, acabam por frisar e desenvolver apenas algumas dessas desenvolturas com melhor qualidade. Depois dos 30 anos, então, a situação se complica ainda mais, já que a maioria das pessoas já estão formadas, com uma profissão definida e uma carreira inteira pela frente – e, com isso, a promessa de fazer sempre a mesma coisa, fazendo com que as outras habilidades “atrofiem”.
Ciente dessa questão, Madalena Feliciano, Gestora de Carreira da Outliers Careers, alerta para cuidados que devem ser tomados, afinal, “se dá bem melhor nas tarefas do cotidiano quem tem múltiplas habilidades desenvolvidas”, comenta a especialista. Como um simples exemplo, ela diz: “Digamos assim, se você é bom com números, tente fazer uma pintura. Se é bom em escrever, tente resolver equações matemáticas ou jogar soduku, e por aí vai”.
Segundo Madalena, desenvolver múltiplas habilidades é a melhor forma de ampliar a criatividade. “Quanto mais pratos diferentes você experimentar, mais referências de sabor seu cérebro vai armazenar. O mesmo vale para experiências, conhecimento e práticas em quaisquer áreas”, diz ela, que ressalta que criatividade nunca é demais, independente de qual seja a profissão.
O cérebro é dividido em duas partes: o lado direito, da criatividade, mais lúdico, e o lado esquerdo, o mais lógico, analítico. Cada ser humano desenvolve mais um lado do que o outro, mas isso não significa que ambos não possam ser trabalhados que seja tirado um maior proveito da capacidade cerebral no dia-a-dia. “Lembre-se: nunca ninguém morreu de acúmulo de conhecimento”, brinca, Madalena.
Para trabalhar esse outro lado, é preciso que o profissional não tenha medo das tarefas assustadoras que parecem que não foram feitas pra ele. É preciso aprender na prática, adquirindo experiência. A especialista comenta que podem ser seguidas algumas dicas simples que trabalham o lado esquerdo e direito de qualquer um. A primeira delas é ler: “A leitura é um dos bens mais preciosos. E não é preciso ficar só nos livros. Ler revistas, artigos da internet, receitas culinárias, manuais de instrução e o que mais estiver ao seu alcance também conta,” diz.

A segunda dica é participar de programas culturais, que incluem ir ao cinema, teatro, museu, exposições de artes e outros lugares interessantes. “A relação com esses universos faz qualquer imaginação voar. Ter contato com o novo é essencial para que qualquer um possa ir além dos limites”, comenta. Outra ideia é compartilhar, trocar experiências. “Seja interessado pelo ser humano. Converse com o pessoal da empresa, independente do cargo que cada um ocupe. Escute opiniões, valorize sua participação. Quanto mais a gente se relaciona, mais a gente cresce”, conclui.

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

A comunicação das abelhas

Vamos analisar a forma com que as abelhas se comunicam, associando-a a importância de uma linguagem clara e objetiva dentro de uma empresa?

As abelhas possuem um sistema de comunicação bastante organizado e interessante: quando querem informar as companheiras sobre a localização de uma fonte de alimento, as campeiras – responsáveis por registrar a posição da fonte em relação a colmeia – usam o sistema da dança, que difere em relação a distância da localização.
Em uma empresa, a comunicação – que, em nossa espécie, ocorre através da linguagem – precisa ser de natureza clara e eficiente seja qual o setor de atuação, direcionando o trabalho ao alvo definido pela corporação. Digamos, em comparação, que este alvo seria a fonte de alimento e, a equipe, o grupo de abelhas: todas caminhando na mesma direção, sob uma liderança que almeja o sucesso profissional e se comunica através dessa linguagem objetiva.
Pensando em aprimorar a comunicação de uma empresa – entre setores, funcionários e como influenciadora atuante no mercado -, a Gestora de Carreira e Master Coach da Outliers Careers, Madalena Feliciano, orienta: “Ter integrantes certos em cargos certos se apropriando de uma comunicação clara e objetiva à sua área, assim como na organização das abelhas, leva uma empresa a crescer em excelência e se diferenciar no mercado, destacando-se”.