Pular para o conteúdo principal

Adiar a aposentadoria: decisão deve estar ligada ao propósito de vida


“É tetra! É tetra! É tetra!” A imagem de Galvão Bueno depois do fim da partida que decidiu a Copa do Mundo de 1994 nos Estados Unidos, aos pulos e berros, ao lado de Pelé, em comemoração ao título da Seleção Brasileira, é uma das imagens mais marcantes da história televisiva do esporte nacional. O próprio locutor, hoje com 68 anos, é um dos símbolos da nossa trajetória esportiva na telinha, imortalizado, por exemplo, pela narração das vitórias do piloto Ayrton Senna. E, para a felicidade de seus fãs, ele decidiu adiar a aposentadoria e seguir à frente dos microfones por pelo menos mais uma Copa, embora tivesse sinalizado que penduraria as chuteiras depois do Mundial de Rússia, realizado em 2018.

Não foi a primeira vez que Galvão Bueno ameaçou parar: já tinha dito que a Copa do Mundo do Brasil, em 2014, seria seu último grande evento. Mas, agora, ele quer ainda trabalhar no Mundial do Catar, em 2022. “Pode isso, Arnaldo?” O que explicaria essas mudanças de decisão do narrador? E, afinal, quais fatores pesam quando um profissional decide adiar sua aposentadoria?

Essa decisão obedece a duas variáveis principais: necessidade e desejo, segundo o consultor e coach Edson Moraes, sócio da empresa de assessoria estratégica Espaço Meio. “E requer um planejamento de longo prazo”, acrescenta.

Adiar a aposentadoria: variáveis

A primeira das variáveis é de teor mais pragmático. E envolve a saúde financeira do profissional. Aqui, falamos de uma estratégia mais ampla em termos monetários: quem trabalhou por muitos anos precisa considerar se o que vai receber da Previdência, somado ao pé-de-meia constituído ao longo da trajetória produtiva, será suficiente para manter o padrão de vida estabelecido. Ou considerar a hipótese de se readequar, de acordo com os rendimentos pós-aposentadoria.

De qualquer forma, Moraes ressalta que um eventual complemento de renda não passa obrigatoriamente pela continuidade da mesma atividade profissional. “É preciso abrir o leque de possibilidades”, argumenta. Isso significa pensar fora da caixa na hora de compor o orçamento pessoal. “É possível fazer sanduíches naturais para vender com o intuito de ter algum ganho além do previdenciário”, exemplifica.

Essa escolha de ocupação, diretamente atrelada à decisão de seguir ou não com o que se vinha fazendo, leva à segunda variável da equação: o desejo. A ela, Edson Moraes associa também o conceito de propósito, uma palavra muito usada pelas gerações mais novas.
Nesse sentido, estão em jogo questões mais complexas, como objetivo de vida e autoconhecimento. E elas são, ou devem ser, despertadas o quanto antes, já na juventude.
Esse é o planejamento a que se refere o consultor. “Desde cedo, é preciso se perguntar: qual é o meu sonho, e o que devo fazer para chegar lá? A resposta será uma norteadora de decisões ao longo dos anos”, afirma.

Uma ressalva fundamental: nortear é bem diferente de engessar. Assim, o que nos motiva em determinada etapa da vida não necessariamente será nosso balizador em uma fase mais madura, por exemplo. Daí a importância de estudar a si mesmo mais profundamente – e continuamente. “Atividades como meditação e ioga podem ajudar nisso”, lembra Moraes. “Conhecer bem a si mesmo é a chave de tudo”, reforça a gestora de carreira Madalena Feliciano.

Sentido da vida

O que isso tem a ver com a decisão de se aposentar? Segundo o coach, encontrar as motivações internas não só está relacionado à escolha do momento de parar mas também ao próprio conceito de aposentadoria.

“Ela não tem de ser uma só, aquela que em geral associamos à questão previdenciária”, explica. “Existem várias ‘aposentadorias’ ao longo da vida. Como quando se resolve mudar de área profissional. Ao tirar um sabático, por exemplo, a pessoa em geral faz uma parada para repensar a carreira, e uma guinada já pode acontecer aí, independentemente da idade.”

Para muita gente, deixar o trabalho significa uma perda do sentido da vida como um todo, dependendo do quanto de paixão há naquilo que se faz. Esse baque existencial tem de ser avaliado na tomada de decisão. Se a opção for de fato pela aposentadoria, o vazio que o ócio acompanha deve ser preenchido de alguma maneira – por meio de um hobby, por exemplo.

Madalena Feliciano diz se deparar com frequência com o problema da falta de propósito de quem decide se aposentar. “Atendo vários executivos com depressão”, afirma. “Eles passam a se sentir inúteis na vida quando param de trabalhar.”

Ao ficar sem uma atividade produtiva, essas pessoas, em quadro de insatisfação, colocam em risco até mesmo seus casamentos, segundo a gestora. “Já tive cliente que me confessou que a mulher não o aguentava mais em casa”, diz.

Nessas situações, ela sugere considerar alternativas que não sejam exatamente “uma ocupação fixa de segunda a sábado, das oito às seis”, ou um padrão semelhante a esse. “O mercado tem valorizado muito a experiência dos profissionais maduros. Eles têm muito a passar para os mais jovens”, argumenta.

“Assim, em vez de se aposentar, podem se tornar consultores, mentores ou professores, definindo um ritmo de trabalho menos intenso, de dois ou três dias por semana, por exemplo. Assessorei um ex-executivo que optou por esse caminho aos 82 anos.” Esse tipo de planejamento, na avaliação de Madalena, deve começar cerca de três anos antes da data prevista para a suposta aposentadoria.

“Não há idade para tentar algo novo”, corrobora Moraes. “Atualmente, as pessoas costumam chegar aos 60 anos na plenitude de suas competências. Nesse sentido, é até uma pena que decidam parar de trabalhar nessa fase de maturidade.”
Para permitir que profissionais aposentados permaneçam no mercado de trabalho, o Instituto de Longevidade Mongeral Aegon, desenvolveu o projeto RETA – Regime Especial de Trabalho do Aposentado, idealizado junto com pesquisadores da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

A proposta quer instituir um regime especial para os empregos formais dos aposentados, colocando em prática preceitos do Estatuto do Idoso e promovendo a convivência intergeracional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os pilares da confiança no trabalho e como construí-los

A confiança é um dos princípios fundamentais da construção de relacionamentos. Ela, contudo, não acontece de um dia para outro, exige o que a pessoa tem de melhor, se desenvolvendo aos poucos. Ela precisa ser conquistada com nossas ações e comportamentos.

Assim como na vida pessoal, relacionamentos profissionais também dependem dela para se manterem saudáveis. “Uma relação de confiança no ambiente de trabalho cria espaço para a cooperação, o comprometimento, a circulação de ideias inovadoras, superação das diferenças, aumentando a satisfação no trabalho e melhora da comunicação”.

Mas quais são os pilares da relação de confiança no ambiente profissional? Confira e veja ainda quais os passos para construir um relacionamento baseado na confiança:

Honestidade, integridade e coerência
“Não posso dizer confie em mim, mas por meio destes três aspectos eu estabeleço o vínculo de confiança”. Para que um indivíduo confie em alguém e se comprometa com ele é preciso acreditar nele. “Perceber que é ve…

A ética nossa de cada dia

Parte da matriz profissional, a ética garante uma carreira sólida e bem sucedidaA ética profissional faz parte da vida de muitos trabalhadores, afinal, para se construir uma carreira duradoura, é necessário manter uma conduta louvável, fundamentada em princípios e valores éticos e morais. Considerada como o ato de cumprir suas obrigações de sua área profissional sem violar nenhum princípio, a ética profissional, segundo Madalena Feliciano,  CEO do Instituto Profissional de Coaching, deve ser cercada por valores como:
A honestidade e integridade – “sempre buscar fazer seu trabalho de maneira honesta, prezando sua credibilidade”.O sigilo e o respeito – “respeitar o cliente, o colega de trabalho. Não tirar vantagens de situações, não firmar compromissos que não pode cumprir, etc.”, exemplifica Madalena.A contribuição social – “todo trabalho pode trazer uma contribuição para a sociedade. O de coaching, por exemplo, tem a capacidade de contribuir para o desenvolvimento de pessoas”, ressalta.…

Para alcançar o sucesso é preciso estudar a empresa

Madalena Feliciano diz que é necessário alinhar valores para ter sucesso profissional. Até mesmo para enviar o currículo a uma empresa é sempre bom conhecer sua cultura para ver se seus valores batem com os dela. Para isso, a internet é uma grande aliada para descobrir itens como missão, visão e valores, que são importantes quando for chamado para uma entrevista. No processo seletivo, o candidato pode aproveitar para descobrir várias outras informações sobre a empresa, prestando atenção nas perguntas feitas pelo selecionador e pelas atividades que deverão ser realizadas. “Profissionais que mostram conhecimento anterior e interesse sobre a empresa ganham pontos positivos com o entrevistador e futuros chefes. A atenção neste momento pode garantir um bom resultado no mais para a frente”, diz Madalena Feliciano, gestora de carreira da Outliers Careers. Ao entender melhor a cultura e o funcionamento da empresa, o profissional conseguirá identificar também seus pontos fracos e terá bons critér…