Pular para o conteúdo principal

6 atitudes típicas de um chefe sem inteligência emocional

Thinkstock/shironosov
chefe-irritado
Chefe explosivo: gestores pouco inteligentes do ponto de vista emocional costumam exercer seu poder pelo medo

São Paulo — No passado, um bom chefe se destacava dos demais pelo seu intelecto: sendo em tese o mais qualificado e experiente da equipe, ele era visto como uma espécie de “sabe-tudo” que enfrentaria os problemas que ninguém mais era capaz de resolver.

Desde o fim do século passado, porém, um líder de sucesso não se define apenas pelo domínio da razão e das ideias. Ele precisa ser extremamente hábil na gestão das emoções — sejam elas as suas próprias ou as alheias.

Para Eva Hirsch Pontes, coach executiva e professora convidada na Fundação Dom Cabral, a inteligência emocional é uma competência importante para qualquer nível hierárquico, mas é obrigatória para quem ocupa cargos de gestão.

“As reações emocionais são as mais rápidas e primitivas”, explica ela. “Se você não consegue administrá-las em momentos de pressão, elas vão bloquear ou atrapalhar as suas funções cognitivas, e você não vai tomar as melhores decisões”.

Para um chefe, cujo cotidiano exige construir relacionamentos, agir de forma estratégica e fazer escolhas pelo grupo, “perder a cabeça” é fatal.

A começar pela própria equipe. “Para o funcionário, a personificação da empresa é o seu gestor direto”, diz Eline Kullock, diretora da consultoria de recrutamento Stanton Chase. “Se essa figura for insatisfatória, todo o emprego pode se tornar insuportável e, no limite,o profissional pedirá demissão”.

O problema também pode prejudicar gravemente a carreira do próprio chefe, diz Pontes. Afinal, o conselho “Manda quem pode, obedece quem tem juízo” está ficando ultrapassado na maioria dos ambientes corporativos.

Hoje, um líder não pode simplesmente “explodir” impunemente. Se ele faz da vida de sua equipe um inferno, mais cedo ou mais tarde ele precisará responder sobre isso — nem que seja em função da queda de produtividade dos funcionários mais desmotivados.

Quer saber se você tem (ou é) um chefe assim? Veja a seguir 6 atitudes típicas de quem tem esse perfil:

1. Acha que motivação é “papo de RH”
O primeiro sinal é ter dificuldade para enxergar a complexidade dos relacionamentos interpessoais no ambiente de trabalho. “Eles acreditam que a motivação dos funcionários é algo garantido, intrínseco a eles, e não um recurso que precisa ser alimentado continuamente”, explica Kullock.

Essa cegueira é reforçada pela ideia de que, com a crise econômica no Brasil, ninguém vai ter coragem de pedir demissão. Não é bem assim: por mais que o mercado de trabalho vá mal, um profissional muito insatisfeito com seu chefe fará de tudo para achar um novo emprego. E nada garante que não vá conseguir.

2. É incapaz de adaptar mensagens
Sob a óptica de um chefe com pouca inteligência emocional, motivação é assunto apenas para discussões estéreis e "bobas", e o mesmo vale para a comunicação. Por não compreender a complexidade dos códigos verbais e não-verbais, ele tende a passar a mesma mensagem para todos os funcionários.

A dificuldade de adaptar a sua comunicação à personalidade de cada subordinado também é resultado da sua própria dificuldade para enxergar as características e peculiaridades de cada pessoa. Os resultados podem ir de pequenos mal-entendidos a grandes conflitos.

3. Ignora que existe competição dentro da equipe
Seu chefe tem um “queridinho”, que recebe todos os parabéns e recompensas em detrimento do resto da equipe? É possível que ele tenha pouca consciência das dinâmicas mais sutis da interação social — em particular da competitividade entre os seus próprios funcionários.

“Se um pai prefere um dos filhos, é natural que surjam conflitos”, compara Kullock.“Quando o líder não percebe essa verdade básica sobre os relacionamentos, ele vai alimentar inimizade entre os próprios liderados e, assim, prejudicar o rendimento do grupo.

4. Não busca se conhecer melhor
O autoconhecimento é a “pedra fundamental” da inteligência emocional, segundo Daniel Goleman, autor de diversos best-sellers sobre o tema. De acordo com estudos do especialista, pessoas que não se conhecem bem têm apenas 4% de chances de ter um bom autocontrole em situações de pressão e estresse.

Um líder com baixa inteligência emocional não se interessa em saber mais sobre si mesmo ou sobre como é percebido pelos demais. Por isso, raramente pede feedback para pares, subordinados ou chefes. Pior: quando recebe alguma crítica, fica ofendido e sequer considera mudar seu comportamento.

5. Exerce poder pelo medo
Um chefe pouco inteligente do ponto de vista emocional tem dificuldade de administrar suas próprias reações à surpresa, ao choque e à frustração. Por isso, não raro “explode” em gritos, xingamentos, deboches e outras agressões — atitudes que corroem qualquer relacionamento.

No fundo, ele não está preocupado em construir laços com ninguém, explica Pontes. Por não perceber a importância do vínculo emocional para construir uma equipe produtiva, ele tenta exercer sua autoridade pelo medo e pelo distanciamento. Em geral, ele acaba isolado, tanto de seu próprio time quanto do resto da empresa.

6. Acha que sabe tudo
Outra atitude característica de gestores com esse perfil é não valorizar a opinião de seus subordinados. “Além de tomar decisões arbitrárias, ele reage mal quando alguém o contesta ou traz um ponto de vista divergente do seu”, diz Pontes. “Por não enxergar suas próprias limitações, ele acredita ter todas as respostas”.

A ilusão de onisciência também faz com que ele trate seus funcionários como peças de um tabuleiro, deixando de explicar o contexto e a justificativa das tarefas. Segundo Kullock, essa é uma receita para o fracasso, sobretudo diante de uma equipe jovem. “A geração Y não aceita a autoridade por si só, isto é, não vai obedecer uma ordem sem saber o porquê dela”, explica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A comunicação das abelhas

Vamos analisar a forma com que as abelhas se comunicam, associando-a a importância de uma linguagem clara e objetiva dentro de uma empresa?As abelhas possuem um sistema de comunicação bastante organizado e interessante: quando querem informar as companheiras sobre a localização de uma fonte de alimento, as campeiras – responsáveis por registrar a posição da fonte em relação a colmeia – usam o sistema da dança, que difere em relação a distância da localização. Em uma empresa, a comunicação – que, em nossa espécie, ocorre através da linguagem – precisa ser de natureza clara e eficiente seja qual o setor de atuação, direcionando o trabalho ao alvo definido pela corporação. Digamos, em comparação, que este alvo seria a fonte de alimento e, a equipe, o grupo de abelhas: todas caminhando na mesma direção, sob uma liderança que almeja o sucesso profissional e se comunica através dessa linguagem objetiva. Pensando em aprimorar a comunicação de uma empresa – entre setores, funcionários e como in…

Os pilares da confiança no trabalho e como construí-los

A confiança é um dos princípios fundamentais da construção de relacionamentos. Ela, contudo, não acontece de um dia para outro, exige o que a pessoa tem de melhor, se desenvolvendo aos poucos. Ela precisa ser conquistada com nossas ações e comportamentos.

Assim como na vida pessoal, relacionamentos profissionais também dependem dela para se manterem saudáveis. “Uma relação de confiança no ambiente de trabalho cria espaço para a cooperação, o comprometimento, a circulação de ideias inovadoras, superação das diferenças, aumentando a satisfação no trabalho e melhora da comunicação”.

Mas quais são os pilares da relação de confiança no ambiente profissional? Confira e veja ainda quais os passos para construir um relacionamento baseado na confiança:

Honestidade, integridade e coerência
“Não posso dizer confie em mim, mas por meio destes três aspectos eu estabeleço o vínculo de confiança”. Para que um indivíduo confie em alguém e se comprometa com ele é preciso acreditar nele. “Perceber que é ve…

Esta é a prova de que postar no LinkedIn pode deixá-lo “famoso”

LinkedIn acaba de divulgar ranking inédito no Brasil com os usuários cujos textos tiveram mais repercussão neste ano PorCamila Pati LinkedIn: 12 mil novos artigos em português toda semana (Flickr/Creative Commons/Nan Palmero) São Paulo – Com 27 milhões de perfis de brasileiros, oLinkedInacaba de divulgar uma lista inédita por aqui:a de usuários cujos artigos alcançaram maior repercussão na rede social neste ano. OrankingTop Voices tem como foco pessoas comuns e que publicam espontaneamente narede socialprofissional, ou seja, não são convidadas pela plataforma a escrever, como no caso dos usuários influenciadores. “Qualquer usuário pode publicar um artigo e é muito simples fazer isso. Desde agosto do ano passado há um botão “escrever artigo” na página inicial”, diz o editor do LinkedIn, Guilherme Odri. De acordo com ele, é uma oportunidade de dividir ideias com uma audiência interessada em aprender e também em ensinar. Marc Tawill, sócio-diretor da Tawill Comunicação, foi, entre…