Pular para o conteúdo principal

10 coisas que você precisa saber se quiser trabalhar na Unilever

Além do escritório em São Paulo, a empresa tem mais 15 fábricas que empregam cerca de 13 000 funcionários

Por Luciana Lima
Funcionários da Unilever em Vinhedo (SP): busca pela diversidade | <i>Crédito: Régis Filho
Funcionários da Unilever em Vinhedo (SP): busca pela diversidade | Crédito: Régis Filho
Presente em mais de 190 países e dona de marcas como Omo, Seda e Dove, é improvável que você não conheça um produto da multinacional anglo-holandesa Unilever. 

No Brasil há 86 anos e com lucro de 4,91 bilhões de euros em 2015, além do escritório em São Paulo, a empresa tem mais 15 fábricas que empregam cerca de 13 000 funcionários.

1. Marca forte no mercado  
O Brasil é a quinta maior operação da empresa, que pretende investir 1,1 bilhão de reais até 2017 no país. Aliado com os produtos reconhecidos no mercado isso significa credibilidade para os recrutadores. 

2. Busca pela igualdade 
Com um aumento de 15% no número de mulheres em suas posições de liderança, a Unilever oferece diversos benefícios para as profissionais do sexo feminino, como  programas de coaching e networking, além de licença-maternidade estendida e berçário. 

3. Expatriação possível
Por estar em quase 200 países, as oportunidades de carreira internacional são grandes. Em média, são expatriados de 80 a 90 brasileiros por ano. por causa disso, é essencial dominar um segundo e até terceiro idioma. 

4. Processos burocráticos
A estrutura da Unilever tem muitos processos e é bem hierarquizada, o que faz da burocracia a grande queixa dos seus profissionais.

5. Investimento em treinamentos 
Há preocupação em treinar e capacitar funcionários. Muitas vezes com cara de “escolinha”, a Unilever investe na formação de profissionais de todos os níveis. 
 
6. Carreira lenta
O plano de carreira da empresa é estruturado em etapas – que são consideradas por muitos funcionários muito lentas. Reclamações no site de avaliações Lovemondays citam que, para crescer, relacionamentos são por vezes mais valorizados que a entrega de resultados. 


7. Flexibilidade real 
A empresa possui diversas ações para aumentar a flexibilidade no trabalho, entre elas política de home office, horário flexível e friday free. Funcionários apontam que isso tem como consequência negativa o excesso de trabalho em dias de folga.


8. Preocupação com bem-estar   
Existem vários benefícios voltados para a saúde, entre eles planos de academias, serviços de manicure e massagista, além de um 0800 para orientações psicológicas e jurídicas. Porém, apenas o último serviço é disponibilizado para os funcionários localizados fora de São Paulo. 

9. A polêmica do óleo de palma  
Maior consumidora mundial de óleo de palma (óleo de dendê), a Unilever foi alvo de polêmica em 2009, após a denúncia de que um dos seus fornecedores utilizava matéria-prima de áreas desmatadas, mesmo adotando um sistema para excluir produtores não sustentáveis a empresa ainda recebe críticas por parte de ambientalistas, que dizem que a extração causa desmatamento indireto. 


10. Salários pouco agressivos
Funcionários dizem que os salários são medianos e, algumas vezes, abaixo do mercado. Essa insatisfação, aliada ao assédio de outras companhias, faz com que a empresa perca talentos. 

Palavra da empresa: “O Norte e o Nordeste do Brasil são exemplos de região em crescimento e com alguma dificuldade de se encontrar o candidato ideal.” (Eduardo Reis, vice-presidente de Recursos Humanos da Unilever Brasil)


Esta matéria foi publicada originalmente na edição 213 da revista Você S/A

Você S/A | Edição 213 | Abril de 2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A comunicação das abelhas

Vamos analisar a forma com que as abelhas se comunicam, associando-a a importância de uma linguagem clara e objetiva dentro de uma empresa?As abelhas possuem um sistema de comunicação bastante organizado e interessante: quando querem informar as companheiras sobre a localização de uma fonte de alimento, as campeiras – responsáveis por registrar a posição da fonte em relação a colmeia – usam o sistema da dança, que difere em relação a distância da localização. Em uma empresa, a comunicação – que, em nossa espécie, ocorre através da linguagem – precisa ser de natureza clara e eficiente seja qual o setor de atuação, direcionando o trabalho ao alvo definido pela corporação. Digamos, em comparação, que este alvo seria a fonte de alimento e, a equipe, o grupo de abelhas: todas caminhando na mesma direção, sob uma liderança que almeja o sucesso profissional e se comunica através dessa linguagem objetiva. Pensando em aprimorar a comunicação de uma empresa – entre setores, funcionários e como in…

Os pilares da confiança no trabalho e como construí-los

A confiança é um dos princípios fundamentais da construção de relacionamentos. Ela, contudo, não acontece de um dia para outro, exige o que a pessoa tem de melhor, se desenvolvendo aos poucos. Ela precisa ser conquistada com nossas ações e comportamentos.

Assim como na vida pessoal, relacionamentos profissionais também dependem dela para se manterem saudáveis. “Uma relação de confiança no ambiente de trabalho cria espaço para a cooperação, o comprometimento, a circulação de ideias inovadoras, superação das diferenças, aumentando a satisfação no trabalho e melhora da comunicação”.

Mas quais são os pilares da relação de confiança no ambiente profissional? Confira e veja ainda quais os passos para construir um relacionamento baseado na confiança:

Honestidade, integridade e coerência
“Não posso dizer confie em mim, mas por meio destes três aspectos eu estabeleço o vínculo de confiança”. Para que um indivíduo confie em alguém e se comprometa com ele é preciso acreditar nele. “Perceber que é ve…

Esta é a prova de que postar no LinkedIn pode deixá-lo “famoso”

LinkedIn acaba de divulgar ranking inédito no Brasil com os usuários cujos textos tiveram mais repercussão neste ano PorCamila Pati LinkedIn: 12 mil novos artigos em português toda semana (Flickr/Creative Commons/Nan Palmero) São Paulo – Com 27 milhões de perfis de brasileiros, oLinkedInacaba de divulgar uma lista inédita por aqui:a de usuários cujos artigos alcançaram maior repercussão na rede social neste ano. OrankingTop Voices tem como foco pessoas comuns e que publicam espontaneamente narede socialprofissional, ou seja, não são convidadas pela plataforma a escrever, como no caso dos usuários influenciadores. “Qualquer usuário pode publicar um artigo e é muito simples fazer isso. Desde agosto do ano passado há um botão “escrever artigo” na página inicial”, diz o editor do LinkedIn, Guilherme Odri. De acordo com ele, é uma oportunidade de dividir ideias com uma audiência interessada em aprender e também em ensinar. Marc Tawill, sócio-diretor da Tawill Comunicação, foi, entre…