Pular para o conteúdo principal

Maiores salários do Vale do Silício não são dos engenheiros

Veja agora 11 cursos online (e de graça) para engenheiros
Profissionais trabalham em laptops: estudo avaliou os cargos mais bem pagos do Vale do Silício, na Califórnia
São Paulo — Ao contrário do que se poderia imaginar, o engenheiro de software não é o profissional mais bem pago do Vale do Silício, região icônica da Califórnia que abriga gigantes da tecnologia como Google, Apple e Facebook. É o que diz um novo estudo da plataforma de recrutamento norte-americana Hired.

Com base em mais de 31 mil solicitações de entrevistas feitas por cerca de 1.800 empresas no primeiro semestre de 2016, o levantamento revela que os maioressalários pertencem aos gerentes de produto. Na média, a remuneração para o cargo gira em torno de 11 mil dólares mensais. Já os engenheiros de software ganham, em média, 10,2 mil dólares por mês, enquanto os designers embolsam cerca de 9,5 mil dólares no mesmo período.

Dados da plataforma Glassdoor sobre a remuneração no Google e no Facebook indicam a mesma realidade: em ambas as empresas, os gerentes de produto ganham mais do que os engenheiros de software. Até uma análise de vistos de trabalho para estrangeiros nas duas multinacionais do Vale do Silício confirma o dado.

A título de comparação, a remuneração média para engenheiros de software no Brasil, segundo a plataforma Love Mondays, é de 6.557 mil reais. Já os gerentes de produto, informa a mesma ferramenta, recebem em média 10.323 reais por mês no país.

A diferença salarial entre os dois cargos no Vale do Silício não é de hoje. Porém, se é fato que os engenheiros de software sempre ganharam menos do que os gerentes de produto, também é verdade que a discrepância tem crescido nos últimos meses, disse Jessica Kirkpatrick, cientista de dados da plataforma Hired, ao site Quartz.

Mas o que explica a valorização do gerente de produto, uma figura relativamente generalista, na região mais "técnica" do planeta?

Em primeiro lugar, é preciso considerar a natureza desse trabalho: quem ocupa o cargo cuida integralmente da entrega do produto, o que inclui desenhar a visão, ouvir consumidores, gerir equipes e aprimorar constantemente o modelo de negócios da empresa.

“No longo prazo, uma gestão de produto competente geralmente faz a diferença entre a vitória e a derrota”, resume Ken Norton, ex-gerente de produto do Google, em artigo para seu site pessoal.

Outra explicação para o prestígio da posição é a sua conexão direta com os objetivos estratégicos do negócio. Segundo Hunter Walk, que ocupou a cadeira no Google no passado e hoje preside uma startup, o papel central do gerente de produto é “fazer os funcionários e os usuários felizes”.

Para esse profissional, a visão de negócios chega a ser mais importante do que a formação técnica, tão cara aos engenheiros de software. “Proficiência técnica é certamente desejável, mas não imprescindível. O que é imprescindível? Curiosidade técnica”, escreve Walk, que é formado em História. “Os melhores gerentes de produto têm um amplo arsenal de competências e conseguem usá-las como usariam diferentes chapéus”. 
por Claudia Gasparini, deEXAME.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A comunicação das abelhas

Vamos analisar a forma com que as abelhas se comunicam, associando-a a importância de uma linguagem clara e objetiva dentro de uma empresa?As abelhas possuem um sistema de comunicação bastante organizado e interessante: quando querem informar as companheiras sobre a localização de uma fonte de alimento, as campeiras – responsáveis por registrar a posição da fonte em relação a colmeia – usam o sistema da dança, que difere em relação a distância da localização. Em uma empresa, a comunicação – que, em nossa espécie, ocorre através da linguagem – precisa ser de natureza clara e eficiente seja qual o setor de atuação, direcionando o trabalho ao alvo definido pela corporação. Digamos, em comparação, que este alvo seria a fonte de alimento e, a equipe, o grupo de abelhas: todas caminhando na mesma direção, sob uma liderança que almeja o sucesso profissional e se comunica através dessa linguagem objetiva. Pensando em aprimorar a comunicação de uma empresa – entre setores, funcionários e como in…

Os pilares da confiança no trabalho e como construí-los

A confiança é um dos princípios fundamentais da construção de relacionamentos. Ela, contudo, não acontece de um dia para outro, exige o que a pessoa tem de melhor, se desenvolvendo aos poucos. Ela precisa ser conquistada com nossas ações e comportamentos.

Assim como na vida pessoal, relacionamentos profissionais também dependem dela para se manterem saudáveis. “Uma relação de confiança no ambiente de trabalho cria espaço para a cooperação, o comprometimento, a circulação de ideias inovadoras, superação das diferenças, aumentando a satisfação no trabalho e melhora da comunicação”.

Mas quais são os pilares da relação de confiança no ambiente profissional? Confira e veja ainda quais os passos para construir um relacionamento baseado na confiança:

Honestidade, integridade e coerência
“Não posso dizer confie em mim, mas por meio destes três aspectos eu estabeleço o vínculo de confiança”. Para que um indivíduo confie em alguém e se comprometa com ele é preciso acreditar nele. “Perceber que é ve…

Esta é a prova de que postar no LinkedIn pode deixá-lo “famoso”

LinkedIn acaba de divulgar ranking inédito no Brasil com os usuários cujos textos tiveram mais repercussão neste ano PorCamila Pati LinkedIn: 12 mil novos artigos em português toda semana (Flickr/Creative Commons/Nan Palmero) São Paulo – Com 27 milhões de perfis de brasileiros, oLinkedInacaba de divulgar uma lista inédita por aqui:a de usuários cujos artigos alcançaram maior repercussão na rede social neste ano. OrankingTop Voices tem como foco pessoas comuns e que publicam espontaneamente narede socialprofissional, ou seja, não são convidadas pela plataforma a escrever, como no caso dos usuários influenciadores. “Qualquer usuário pode publicar um artigo e é muito simples fazer isso. Desde agosto do ano passado há um botão “escrever artigo” na página inicial”, diz o editor do LinkedIn, Guilherme Odri. De acordo com ele, é uma oportunidade de dividir ideias com uma audiência interessada em aprender e também em ensinar. Marc Tawill, sócio-diretor da Tawill Comunicação, foi, entre…